Objetivo Principal

O objetivo deste blog é construir e compartilhar experiências em Educação Musical para crianças. A ideia principal é estabelecer um repertório de músicas escritas especialmente para crianças, seus autores e os meios materiais de sua origem.



quarta-feira, 18 de janeiro de 2017

UMA LENDA JAPONESA




Continuando a falar das lendas e do Japão, encontrei esta outra, mais bonita e com uma bela mensagem para todos nós. Esta lenda reúne ingredientes que transmitem às crianças valores como lealdade, honestidade, honra e bondade. 

Primeiro eu li esta lenda no site:


Em seguida, neste vídeo da turma do Quintal da Cultura, programa fabuloso produzido pela TV Cultura, pude assistir José Eduardo Rennó (Ludovico) e Helena Ritto (Dorotéia) contando a história, usando papel e muito humor e criatividade! 
Para quem nunca assistiu este programa vale a pena conferir. No youtube:

https://www.youtube.com/user/quintaldacultura/featured

Tem música, história, entrevista, brincadeiras, fantoches e bonecos animados!

Voltando á nossa lenda...

A história fala das estátuas de Jizô Bosatsu. Estas estátuas, comuns no Japão, são encontradas em jardins, parques, cemitérios, nas estradas e em santuários. É costume oferecer pequenos presentes às estátuas como velas, brinquedos ou flores. Muitas delas são enfeitadas com cachecóis, coletes ou boinas.

São consideradas protetoras dos viajantes e é muito comum serem encontradas em número de seis estátuas juntas, enfileiradas nas beiras das estradas. 

O Jizô é o guardião das crianças, principalmente das crianças que morrem prematuramente ou que foram abortadas. De acordo com a tradição budista, depois que morre, a pessoa deve atravessar o rio Sanzu para alcançar a vida após a morte. As crianças que morrem não conseguem fazer a travessia, pois, além de causarem grande sofrimento aos seus pais, não acumularam boas ações suficientes para atravessarem o rio. Então elas devem orar por compaixão para Buda e juntar pedras à margem do rio. Por isso pais que perderam seus filhos colocam pedras aos pés das estátuas para os ajudarem na suas penitências. O Jizô protege as crianças e as esconde nas mangas de sua túnica. Bonito, não?


sexta-feira, 6 de janeiro de 2017

AS BODAS DO RATINHO

Uma das minhas músicas favoritas do grupo Palavra Cantada é "Rato". Talvez por contar uma história, ter muitos personagens "famosos", talvez por falar de amores impossíveis e ter um final bastante feliz, talvez por levar os ouvintes por um caminho que aos poucos vai mudando de direção e mostrando novas possibilidades.
Esta canção é de autoria de Paulo Tatit e Edith Derdyk e foi lançada no CD "Canções Curiosas" em 1998. Virou um belo clipe e também livro, com ilustrações de Laurent Cardon, pela editora Melhoramentos, no ano de 2013.



No mês de novembro, fazendo uma pesquisa sobre músicas e histórias de crianças japonesas, encontrei um lindo conto, recolhido por Fernando Santiago dos Santos, chamado "As Bodas do Ratinho". 
Fernando leu várias histórias originais em japonês. Em 1994 ele traduziu essas histórias para o inglês. Após alguns meses surgiu a versão em português, que está disponível no endereço:

http://fernandosantiago.com.br/hisjapo.pdf

Segundo Fernando, as histórias japonesas são escritas com uma linguagem poética, trazendo personagens da natureza e muitos símbolos, através das quais pode-se conhecer um pouco da filosofia milenar deste povo. 
Interessante notar que muitas delas são conhecidas e vieram de outros lugares, como, por exemplo, "O Lobo e o Pastor", de autoria do escritor grego Esopo. No entanto, todas as histórias ganham uma nova "roupagem", proporcionando aos leitores um olhar diferenciado e dando a oportunidade de conhecer um pouco mais da cultura do Japão.

Na história "As Bodas do Ratinho" um casal de ratos quer encontrar um noivo para sua filha. O pai Rato quer que seu genro seja a pessoa mais importante do mundo. Ele começa sua procura convidando o Sol para ser o noivo.
O "Rato", música da dupla Palavra Cantada, conta para todos a história de um ratinho que se apaixona pela Lua. A música é linda, alternando compassos, andamentos e estilos. 

Fiquei pensando como é importante a gente pesquisar e conhecer novas versões, isso enriquece nossa vida e a de nossos alunos. Coincidentemente estava lendo um trecho do livro "A Utilidade do Inútil" de Nuccio Ordine e, entre tantos capítulos e frases (vale a pena conferir), achei esta que usarei como uma "coda" para este artigo:

"Somente o saber pode ainda desafiar as leis do mercado. Eu posso compartilhar meus conhecimentos com os outros sem me empobrecer. Posso ensinar a um aluno a teoria da relatividade ou ler com ele uma página de Montaigne, dando vida a um milagroso processo  virtuoso no qual se enriquece, ao mesmo tempo, tanto quem dá quanto quem recebe."





sábado, 17 de dezembro de 2016

PIANOLANDO


Neste artigo gostaria de apresentar a vocês o livro "Pianolando" de Maria Regina Rietra Marzano. 
Que posso dizer sobre a autora? 
Além de ser minha irmã, muito querida, ela é mineira de Belo Horizonte. Assim como eu passou os primeiros anos de vida em Ouro Preto e pouco antes de entrar para a escola, na época 1º ano do grupo escolar, mudou-se para Alumínio, interior de São Paulo. 


Apesar de ser um ano mais nova do que eu, começou a estudar piano primeiro e até me ensinou algumas lições. Por isso formou-se primeiro, com 15 anos, no Conservatório Musical Carlos Gomes, da cidade de Mairinque. E sempre tocou muito bem!
Aprendeu violão e começou a dar aulas de piano aos 13 anos para crianças vizinhas de nossa casa. 
Dona de uma vontade e disciplina muito grandes, foi estudar Farmácia Bioquímica em Araraquara, formou-se e começou a trabalhar no laboratório da Santa Casa de São Roque. Apesar de adorar esta profissão, abandonou-a alguns anos mais tarde, quando, já casada resolveu acompanhar o marido e ter suas filhas. Mas jamais abandonou a música e o piano!
Voltou a estudar piano e a tocar. Voltou a dar aulas particulares na sua casa. 
Este ano fez uma surpresa para toda a família: suas composições e a edição deste livro. Tudo já estava pronto (era de se esperar, pois ela costuma não falar muito o que está pensando, só quando está tudo certo). 
Atualmente ela mora em Blumenau. Continua tocando e canta em um coral. Está quietinha... Quem sabe não está preparando mais uma de suas surpresas?
São 27 pequenas peças para piano, compostas, segunda a autora com o "objetivo de acrescentar variedade de repertório". Com sua experiência em dar aulas para alunos de diferentes idades, ela criou melodias fáceis, às vezes nem tanto assim, mas de uma beleza calma, que me fazem lembrar  Schumann ou Bartok, com pitadas de ritmo e harmonias da música popular e folclórica brasileira.
O livro vem acompanhado de um CD com a gravação das músicas.
Esta é uma das peças, que está disponível na página Pianolando:

https://www.facebook.com/pianolando/




Espero que gostem!





domingo, 11 de dezembro de 2016

PÉ DE PILÃO



"Pé de Pilão,
Carne seca com feijão.
Arreda, camundongo
Pra passar o batalhão"

Esta era uma antiga cantiga popular africana que acompanhava as crianças, nos séculos XVIII e XIX, no jogo do "belisco". Este jogo era feito com as crianças em roda, onde se distribuíam beliscões, enquanto cantavam:

"Uma, duas angolinhas
Finca o pé na pampolinha.
O rapaz que jogo faz?
Faz o jogo do capão.
O capão, semicapão,
Veja bem que vinte são.
E recolha o seu pezinho
Na conchinha de uma mão
Que lá vai um beliscão."

Pobre coitada da criança que recebia o beliscão, assim que terminava a parlenda, apanhava de todos os participantes da roda, que recitavam os versos:

"É de rim-fon-fon,
É de rim-fon-fon.
Pé de pilão
Carne seca com feijão."

A partir desta quadrinha, o poeta gaúcho Mário Quintana escreveu seu poema "Pé de Pilão". E assim, com versos cheios de ritmo e rimas, palavras engraçadas e muita imaginação, surge uma história, em forma de poema, do menino que foi transformado em um pato e suas aventuras.






O texto é muito bonito, cheio de imagens próprias do mundo infantil: fadas, macaco, cavalo, polícia, floresta, igreja, Nossa Senhora, ladrão... E como em tantas histórias fala do confronto entre o Bem e o Mal, com direito à um final feliz!
Publicado em 1975, época em que Mário Quintana já era um poeta consagrado, "Pé de Pilão" virou um clássico da literatura infantil.


No ano seguinte, Mery Weiss, da editora Garatuja, convidou Cláudio Levitan a musicar o poema, para transformar a obra em disco. 
Cláudio Levitan, compositor, arquiteto e escritor, nascido em Porto Alegre, aceitou o convite e junto com dois amigos: Nico Nicolaiewsky e Vitor Ramil, gaúchos também, escreveram as músicas que, por alguns motivos, não foram gravadas na época

Em 1986, Cláudio Levitan publicou o poema em forma de histórias em quadrinhos, com suas ilustrações, pela editora LPM, em comemoração dos 80 anos de Mário Quintana. 


Vinte anos mais tarde, a Turma do Pé Quente, grupo de artistas-músicos, apresenta a Opereta Infantil "Pé de Pilão", espetáculo que mistura música, bonecos e teatro.
A peça estreou em 2006 por ocasião da comemoração do centenário de nascimento de Mário Quintana.


Tive a oportunidade de assisti-la no canal TV Rá Tim Bum e me encantar por ela.
O espetáculo foi indicado a vários prêmios, tendo recebido o Prêmio Tibicuera de melhor trilha sonora para Teatro Infantil em 2006. Foi selecionado e ganhou o prêmio Rumos Itaú Cultural em 2011/2012.

Neste vídeo, Cláudio Levitan fala sobre as suas músicas, sobre o poema e o poeta e sobre a criação do espetáculo, com seus músicos, artistas, figurinos e cenários.


       



Neste endereço você pode ouvir todas as músicas. Vale a pena conferir:

http://claudiolevitan.com/Opereta-Pe-de-Pilao

segunda-feira, 4 de abril de 2016

MARGARETH DAREZZO

          No ano passado, fui apresentada ao livro "Canteiro" de Margareth Darezzo. Uma professora da escola em que trabalho e mãe de uma menina me emprestou dizendo: "A Beatriz adora! Leve para você conhecer!". 



          O livro "Canteiro" já impressiona pela apresentação. É grande e colorido. A arquiteta Roberta Asse foi responsável pelo projeto de arquitetura de papel e ilustração do livro, o que o torna diferente, rico em imagens e interativo. 
         Então você começa a ouvir as músicas. E vai se encantando! É tudo muito bonito, bem arranjado, letras com poesia, que falam do mundo e da criança. São 15 músicas no total: "Vida de Bicho", "Os Ovos da Galinha", "Canteiro", "Charmoso", "Quem tem medo?", "Diferenças", "Coração de Ouro", "Maria Teimosa", "Crescer", "Chuva", "Meios de Transporte", "Cor da Água", "O Mundo de Herança", "Jeito Diferente" e "Livro". A música "Cor da Água" tem a participação do nosso querido músico Dominguinhos, tocando acordeom e cantando.




          Margareth Darezzo, nasceu em São Carlos, SP. Estudou piano e musicalização infantil com Josette Feres. Publicitária, formada pela PUCCAMP, Margareth nunca abandonou a música. Trabalhou em escolas de ensino regular, fez mestrado em Educação Especial, especializou-se em Psicologia Infantil, ministra aulas de música para mães e bebês  e cursos para profissionais da educação. A partir de seu trabalho como professora, começou a compor canções e hoje tem um repertório de mais de 80 músicas. 
        Em 2007, com arranjos e direção musical de Pichu Borrelli, seu marido, músico e compositor, foi gravado o CD "Canteiro". Em seguida vieram o CD "Canteiro Florescer" e os livros "Canteiro - Músicas para Brincar" e "Quem Vem Lá?". 
           O livro "Canteiro" foi publicado em 2011 pela editora Ática e é voltado para crianças a partir dos três anos. 





          O livro "Quem Vem Lá? - Música e Brincadeira para o Bebê" foi lançado em 2015. Dedicado à crianças menores de três anos, o livro traz canções relacionadas com o dia-a-dia dos bebês: acordar, trocar a fralda, tomar banho, descobrir e brincar. As cantigas são muito propícias para momentos de acolhimento e interação da criança com a mãe, pai ou cuidador. O livro traz orientações para os adultos responsáveis e muitas sugestões de atividades interessantes, voltadas à esse público tão especial. As músicas são delicadas, alegres, utilizam gestos e sons corporais e sugerem um contato carinhoso com as crianças. São 12 músicas: "Bom Dia e Boa Noite", "Quem vem lá?", "Pe Pe Peixe", "Troca a fralda!", "Fotografia", "Cavalo Pampa", "Lá vem o Bombeiro", "Massagem é bom!", "Aperta a campainha", "Mixirica", "Banho do Neném" e "Carrossel".
          Foi um grande prazer conhecer estes dois livros. Já estou trabalhando com eles e as crianças estão adorando!
          Margareth Darezzo tem um site: http://www.margarethdarezzo.com.br/
          Além disso, no site aticascipione: 
http://sites.aticascipione.com.br/canteiro/pdf/orientacao.pdf
você encontra um suplemento, escrito pela autora, com orientações e atividades para trabalhar em sala de aula, relacionados à cada música do livro "Canteiro"
          Vale a pena conferir!


domingo, 22 de fevereiro de 2015

VILA SÉSAMO

Em alguma destas tardes de férias, em frente à televisão, tive a oportunidade de assistir o novo programa "Vila Sésamo", na TV Cultura. A primeira coisa que me chamou atenção foi a canção "Patinho de Borracha", uma marchinha muito animada e com a letra bem interessante. Com cenário muito colorido, Garibaldo amarelo e novos personagens, o programa ainda guarda muitas semelhanças com a primeira versão, aquela que fez parte da minha infância, no início dos anos 70.
Que saudades! Como eram bons aqueles programas! Então, graças à internet, fui rever os quadros, as músicas e personagens tão queridos.
"Todo dia é dia, toda hora é hora, de saber que este mundo é seu!" era o tema de abertura. Outra música muito bacana era "Tô com raiva". Lembro-me bem de "Abecedário" e "MahnaMahna".



                                         

Comecei minha pesquisa e descobri que a trilha sonora foi composta por Marcos e Paulo Sérgio Valle. A música de abertura contou com a parceria de Nelson Motta e chegou a ganhar um prêmio de melhor música feita para uma adaptação do Sesame Street.
Os compositores foram muito felizes na construção das músicas, que trazem temas muito importantes para o universo infantil. As 14 músicas que compõe o CD são:

1- Abecedário.
2 - Querer é Poder.
3 - Gugu.
4 - Os Bichos.
5 - Diferenças.
6 - Classificação.
7 - Alegrias da Vida.
8 - Funga Funga.
9 - Partes do Corpo.
10 - Adição - Subtração.
11 - Imaginação.
12 - Garibaldo.
13 - Pequenos Erros.
14 - Vila Sésamo.




Boa parte destas músicas foram interpretadas pelo Trio Soneca, que era formado por Marcos Valle, João Mello e Suzana Machado. As faixas foram gravadas no estúdio Aquarius, no Rio de Janeiro, em 1974.
Seguindo a proposta do programa, as músicas trazem noções educativas para as crianças de modo divertido e com bom humor. Os temas falam de higiene, cuidado com animais, matemática, comportamento, letras, família e outros.
Quem acompanhava o programa na TV aprendia com graça conhecimentos básicos, enquanto que, quem produzia Vila Sésamo, estava fazendo uma revolução na maneira pela qual se fazia programas infantis. Com ajuda de pesquisadores, pedagogos, psicólogos e bonecos, Vila Sésamo tornou-se um grande sucesso na época. Essa experiência marcou profundamente as produções educativas infantis da TV Cultura, influenciando diversos programas que viriam mais tarde.
No final de 2008, Vila Sésamo ganhou uma nova versão e passou a ser exibido pela TV Cultura, em parceria com a Sesame Workshop. A trilha sonora desta ficou sob responsabilidade de Arthur Nestrovski, autor da letra e música das canções, algumas em parceria com Marcelo Jeneci e André Mehmari. Algumas músicas desta nova fase são:

- Barulhinho Ruim - interpretada por Badi Assad.
- Só eu sou eu - por Zeca Baleiro.
- Gergelim Gergelim - por Vanessa da Mata.
- Canção do Rei - por Celso Sim e Fernando Gomes.
- Colorido - por Rubi.
- Canção do Garibaldo - por André Abujamra.
- Maioral - por Eduardo Dussek.
- Pé Direito, Pé Esquerdo - por Marcelo Pretto e Rubi.
- Rock da Bel - por Magda Crudelli.



Espero que vocês também gostem!




domingo, 25 de janeiro de 2015

BOLA DE MEIA, BOLA DE GUDE

Gostei demais deste vídeo! Trabalho realizado por Airton Silva.




Para conhecer mais sobre Ivan Cruz e sua série "Brincadeiras de Criança" visite o endereço:

http://www.brincadeirasdecrianca.com.br/biografia.htm


Falando de Rosas

Estava procurando uma cantiga para as crianças dançarem na festa junina da escolinha. Esta música é uma graça e neste arranjo ficou melhor ainda. Apreciem!